Os bastidores da Rua Guaicurus

Elas atendem em média de 20 a 50 clientes por dia e cobram valores que variam de R$ 7 a R$ 600. Jovens, velhos, casados, solteiros, pobres ou ricos. Pouco importa quem esteja pagando. À medida que o tempo passa, algumas profissionais do sexo que trabalham nos hotéis da Rua Guaicurus, de 8h às 23h, no centro de Belo Horizonte, vão aprendendo a se abstrair de suas realidades e não ver na frente homens, mas apenas o dinheiro deles.img660-012

Essa é a forma que muitas garotas de programa encontram para lidar com as inúmeras pressões psicológicas do dia-a-dia. Segundo a piauiense Thaís, 28 anos, existem muitos homens que tratam mal as meninas dessa profissão. Alguns as chamam de “piranhas”, falam que elas estão no lugar certo e que não merecem nada na vida. Ela já foi agredida duas vezes, sendo que a mais recente agressão aconteceu porque ela chamou o gerente do hotel para um cliente que não queria pagar o programa. O homem se irritou com essa situação e deu um soco no nariz de Thaís.

Geralmente, as meninas que trabalham nessa profissão tiram um tempo para descansar um pouco a cabeça, já que elas têm muitos momentos de baixo astral e baixa auto-estima. “Nós somos muito carentes, temos muitos homens, mas no final da noite e nas horas difíceis não temos ninguém”, confessa a profissional. Ainda segundo Thaís, por vezes, a questão religiosa também pesa. Ela não se considera católica, porém, acredita em Deus, e às vezes não se sente bem por estar trabalhando em “algo errado”. “Mas eu sei que não é porque estamos aqui, que Deus não vai olhar para a gente”, completa.

Casos de profissionais do sexo que constroem algo na vida são raros. Thaís até arrisca afirmar que a cada 100 meninas, apenas uma consegue alguma coisa, já que o restante se entrega às drogas. “Para entrar nessa vida, você tem que ter um objetivo”, ressalta.

Ela começou a fazer programas há quatro anos, quando se encontrava numa situação financeira muito difícil após o término de um casamento de nove anos. Haviam grandes possibilidades de ela perder a guarda do filho, com então oito meses, já que o juiz que cuidava do caso entendia que, como Thaís não tinha nenhuma fonte de renda – ela nunca trabalhou –, ela não seria capaz de sustentar o bebê. “Dei um jeito de conseguir que meus pais cuidassem dele para mim. No mesmo dia que mandei meu filho, de avião de São Paulo (onde morava com o ex-marido) para o Piauí, com a aeromoça e comecei nessa vida”, recorda.

No início, ela trabalhava numa boate paulista e chorava muito após cada programa que fazia. “É horrível se deitar com um homem que você nunca viu”, confessa. Era a cafetina que levava os homens até Thaís, já que ela ainda era um pouco tímida para tomar alguma iniciativa. Segundo a profissional, com o tempo ela se acostumou, mas gostar “dessa vida”, definitivamente não é o caso. “Nós gostamos do dinheiro. Hoje, eu não vejo um homem na minha frente, só vejo dinheiro”, afirma.

A profissional, que trabalha no Novo Hotel há nove meses, recebe em média 50 clientes por dia e cobra a partir de R$ 15 (programas de cinco minutos), mas a maioria de seus programas varia de R$ 50 a R$ 100. Thaís conta que tem muitos clientes fixos e que, em geral, eles pagam mais. “Tenho um cliente que sempre me paga R$ 600 para eu ficar com ele durante duas horas”, explica. Segundo ela, os que têm melhores condições financeiras justificam que dão mais dinheiro porque têm dó das garotas de programa.

Com o dinheiro que conseguiu na profissão, Thaís construiu uma casa no valor de R$ 80 mil no Piauí, que ficou pronta há três meses e onde atualmente seus pais moram. “Todo esse tempo, investi meu dinheiro na casa. Ela é a casa dos meus sonhos, tudo o que eu sempre quis está lá”, revela. Para a família, a profissional diz trabalhar em um bingo aqui em Belo Horizonte, mas a mãe e a irmã desconfiam dessa versão e, com carinho, dão conselhos à moça para ela se cuidar. Thaís acredita que as duas a compreendem pelo fato de ser mãe solteira e de só investir o dinheiro em “coisas boas”.

A profissional é uma morena de pele bem cuidada, com aproximadamente 1,65m de altura, longos e bem tratados cabelos pretos e traços delicados, que também investe em sua aparência e afirma ainda ter planos de construir em sua cidade (ela não revelou qual era) mais algumas casas para alugar. Thaís ressalta que enquanto for nova e bonita será garota de programa e que nunca pensou em deixar de ser. Ela tem muito medo de voltar à vida de miséria que tinha na infância ao lado de seus sete irmãos.

Entretanto, esse não é o caso da carioca Priscila, 28. Encarar situações inusitadas, ter que estar sempre de bom humor, quando se está com inúmeros problemas pessoais, ouvir insultos e até ter que dar conselhos para “homens velhos” são coisas que ela já não suporta. Como conseguiu há pouco tempo quitar uma casa no valor de R$ 40 mil em sua cidade natal e agora quer apenas comprar um carro, a profissional só está trabalhando 10 dias por mês. Mesmo assim, esse tempo que passa aqui em Belo Horizonte já a deixa muito nervosa, ansiosa para voltar ao Rio de Janeiro. “Acho que aqui no hotel deveria ter uma psicóloga para nós. A coisa aqui é pesada e o nosso psicológico pira. Há algum tempo o dono encaminhou uma das meninas para o psiquiatra porque ela já tinha surtado”, salienta.

No Novo Hotel, há a possibilidade de a hóspede ter exclusividade de um quarto reservado só para ela, como é o caso de Priscila e Thaís. Quando elas viajam, têm a opção de manter os quartos trancados, mas como pagariam do mesmo jeito a diária no período que estivessem fora, preferem deixar que a gerência alugue-os para outras meninas. A maioria dos quartos desse hotel tem as paredes bem pintadas de uma cor no tom palha, possuem camas de casal de madeira, pequenos banheiros azulejados, e, por vezes, alguns móveis como guarda-roupas e criados. A decoração varia de acordo com a hóspede, mas, geralmente, é clara e jovial.

O simples fato de ser observada, o que não é muito difícil, já está deixando-a com muita raiva. Priscila, uma moça morena escura que sempre está de biquíni, chama a atenção com seus 1,85m de altura, pernas grossas e quadris largos.

Segundo Priscila, o problema é que muitos homens param a sua frente, olham-na com o olhar parado e a boca meio aberta, mas não fazem nada. “Isso me irrita muito e às vezes até fico achando que tem algo de errado comigo”, relata. Embora esteja há cinco anos em Belo Horizonte, a carioca diz não ter se acostumado com esse jeito dos mineiros e com a quantidade de clientes que aparecem com pedidos, no mínimo, estranhos.

Priscila também trabalha no Novo Hotel e cobra de R$ 15 (programas de 15 minutos, envolvendo sexo oral e vaginal em uma posição) a R$ 100, e lembra de casos como o de um homem que já pagou R$ 30 para ela apenas “montar de cavalinho” enquanto ele engatinhava pelo chão e, logo em seguida, urinar na boca dele. Outra situação foi a de um cliente que antes de chegar ao hotel, passava numa loja de lingerie para comprar calcinha e sutiã rosa e sempre pedia para que ela “o comesse”, introduzindo o dedo no ânus dele. Segundo a profissional, ela também já recebeu clientes que relinchavam durante a relação sexual, outros que pediam para que ela batesse neles e outros que insistiam para fazer sexo sem camisinha e ofereciam mais dinheiro por isso. “Isso eu não faço de jeito nenhum. Da última vez que teve uma cara que queria isso falei com ele: ‘vai ver você tem AIDS e está de sacanagem, infectando todo mundo. Coitada da sua namorada que, no mínimo, também já está com o vírus porque foi você que o passou”, relembra.

Mas o que mais surpreende Priscila é a quantidade de homens que querem sexo anal e gostam de consolo – artigo erótico no formato de um pênis. “Para mim a maioria aqui é viado encubado e tem medo de pedir essas coisas para as esposas com medo de elas e a família descobrirem”, constata. Priscila só sentiu a necessidade de comprar esse objeto quando veio para BH, depois de nove meses trabalhando no Rio de Janeiro sem ter nenhum caso desse tipo. Por essa e por tantas outras, Priscila já resolveu que trabalhará apenas até o final de 2009 e depois fará um curso para ser cabeleireira. “Tenho que viver. Afinal de contas, estou nova e tenho um bebê gigante de 14 anos para criar”, enfatiza.

Do outro lado da rua

De fato, com R$ 7 não dá para fazer muitas coisas. Em geral, é possível comprar dois pacotes de feijão ou um de arroz (cinco quilos), desde que esses sejam de marcas populares. Às vezes, dois quilos de carne de frango, mas certamente consegue-se pagar o programa de algumas profissionais do sexo que trabalham no Hotel Magnífico, também localizado na Rua Guaicurus.

Geralmente, por essa quantia, o programa dura 15 minutos e elas fazem o “serviço básico” que consiste em sexo em duas posições mais sexo oral. Essas profissionais sabem que o preço que cobram é baixo, mas reconhecem também que se aumentarem o valor, não terão clientes. “Na porta, sempre falo que o preço é R$ 7, mas depois eu peço ‘Ô amor, me dá dezinho’”, revela Cláudia, 33 anos.

img657-012

Esquina da Rua Guaicurus com São Paulo. Ao fundo (de verde), o Hotel Magnífico

Ela recebe em média 20 homens por dia e seus programas variam de R$ 7 a R$ 50, sendo que os clientes mais antigos pagam de R$ 20 a R$ 50, e alguns têm a possibilidade se fazer sexo sem camisinha com ela. Cláudia, uma simpática loira de batom vermelho, um pouco acima do peso, que sempre está de salto e se veste com uma camisola preta semi-transparente, tem medo de engravidar de novo, afinal, já tem quatro filhos – de 13, 4 e 2 anos e outro de 6 meses –, todos do mesmo pai, e já está difícil sustentá-los sozinha. Ela foi casada durante cinco anos, e nesse período, abandonou a profissão, iniciada quando era uma moça de 19 anos. Na época, Cláudia começou ao ver que as amigas que se prostituiam ganhavam muito dinheiro. “Mas como eu sempre gastei demais, era difícil economizar alguma coisa”, lembra. Hoje, Cláudia não sabe bem como será o seu futuro, mas tem o desejo de um dia largar sua atual profissão e montar um negócio próprio, tendo assim, seu primeiro emprego. “Gosto muito de cozinhar e quero fazer alguma coisa nesse ramo. Sei fazer feijoada, lasanha, macarronada… De tudo um pouco”, revela.

Cláudia faz parte das 52 mulheres que ficam hospedadas em quartos de no máximo 2m² com paredes encardidas, pintadas de metade branco, metade verde, que possuem um bidê, uma pequena pia e uma cama de alvenaria. Em geral, há apenas uma mesinha de madeira onde, por vezes, fica uma televisão bem pequena e poucos objetos pessoais, mas nada que esboce a existência de uma decoração. Pode-se entender que o aspecto “velho” e mal cuidado do local reflete a própria vida das profissionais que lá trabalham. Mulheres, em sua maioria com mais de 35 anos, geralmente acima do peso, e com pouca preocupação com a aparência. No Hotel Magnífico, as profissionais do sexo costumam andar pelos corredores, geralmente de short e sutiã ou com roupas curtas e bem velhas, e às vezes conversar com algumas colegas de profissão. Lá, os clientes também são de diversas classes sociais, mas o predomínio é de homens de baixa renda.

A paulista Rubi, 32, afirma que essa ausência de “luxo” é pouca percebida pelos clientes. “Os homens quando chegam aqui querem “se conhecer” e receber um bom trato. Eles não reparam nesses detalhes”, conta a morena de 1,60m e de cabelos lisos e pretos que vão até a cintura, que geralmente se veste de biquíni. Segundo ela, muitos homens que recebe, mal sabem como “pegar uma mulher” e o que exatamente gostam que façam com eles na cama. “Tem uns que ficam parados. Daí eu falo ‘Gatinho, programa por telepatia não vale’”, brinca.

Rubi, geralmente, cobra a partir de R$ 8 por cada programa e para atrair clientes, sempre que perguntam o seu preço, ela divulga primeiro: “deixo pegar nos peitos, faço oral, vaginal e mais quatro posições”. Mesmo por essa quantia, ainda há homens que pedem para que ela deixe por R$ 7. Ao que parece, ela não se importa com isso, já que aceita a oferta desde que o dinheiro esteja “trocadinho”. Segundo ela, “a mulher tem que ter um objetivo” e o seu já está bem traçado. Depois de três anos nessa profissão, em Janeiro de 2009, ela deixará de ser garota de programa. “Só entrei nessa vida porque havia perdido o meu emprego em São Paulo e estava passando muita dificuldade, mas isso não é o que eu quero para sempre”, enfatiza. E como é que ela se vê daqui a cinco anos? “Como uma grande empresária, só não sei ainda fazendo o quê (risos)”, afirma.

*** Os nomes citados são fictícios

——————————–//—————————–//————————–

Número de profissionais do sexo no hipercentro de BH

Segundo a presidente da associação, Maria dos Anjos Pereira Brandão, a zona boêmia da capital “acabou” porque, além de a diária dos hotéis ser cara, muitas profissionais  caíram na real e viram que essa é uma profissão que desvaloriza a mulher. Dos Anjos, como é mais conhecida, afirma que diversas meninas desistiram da profissão, outras se casaram, foram embora, e estão tentando construir a vida de outra forma.

Atualmente: cerca de 1200 mulheres trabalham espalhadas em 21 hotéis

Novembro de 2007: Mais de 2000 mulheres trabalhavam em 22 hotéis

Sobre Repórteres Avulsos

Nossa intenção aqui é publicar trabalhos completamente autorais e espontâneos, livres de quaisquer condicionamentos formais e ligações institucionais. Saímos às ruas com uma câmera na mão e uma pauta na cabeça e vamos atrás do interessante, do diferente, do inusitado, do mundo; sem saber ao certo o que nos espera. Nosso negócio é experimentar, é descobrir pessoas e histórias reais. Nosso negócio é o jornalismo verdade.
Esse post foi publicado em Belo Horizonte, Cidade, garotas de programa, Rua Guaicurus, Zona Boêmia e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

13 respostas para Os bastidores da Rua Guaicurus

  1. Olá!
    Essa reportagem ficou ótima! Parabéns!

  2. Gui disse:

    a reportagem realmente ficou muito boa, relatos legais.
    só ficou com muitos erros de português…

  3. Carlos disse:

    50 clientes em média por dia? Ora, vamos fazer as contas. Sendo rapidinha, não mais que 15 minutos, teria que fazer 12 horas e meia por dia, sem parar para procurar cliente, negociar preço, se lavar, almoço, lance, nada. Não sei de onde saiu essas informações. R$ 600 por duas horas? Ninguém paga isso. Só modelos de alta classe ganha isso. Basta ver os anúncios na internet de agências.
    R$ 7,00 por hora é verdade. Essas, no máximo, pegam um 20 clientes por dia, mesmo assim, fim de semana.
    Uma menina que cobra entre R$150 a R$300 por hora pega no máximo, 10 por dia. A média é bem inferior, cerca de 3 a 7 por dia.
    Tomo como base alguns estudos e pesquisas que foram feitas. 50 clientes por dia, por R$10,00 daria R$500 no final do expediente, R$ 15 mil por mês. Se alguma disse isso, mentiu.

    • Ricardo disse:

      E bota mentira nisto. Se uma mulher transa com 50 por dia, a 15 reais, daria 750 reais por dia e próximo de uns 20 mil por mês. Já teriam saído desta há muito tempo. Mas não! Terminam sempre em más situações.

  4. Paulo Fernandes disse:

    FALA DANIEL !PAULIN PRIMO DA KA AQUI! KKK ACHEI A REPORTAGEM DO NADA AÍ QDO TO TERMINANDO DE VER O VIDEO QUEM ME APAREÇE ? KKK
    muito boa mano ! abração !

  5. estranho disse:

    Muito boa a reportagem, vou ali sempre, e quando vou, entro em muitos hoteis. Realmente o que foi escrito e verdade, algumas cobram valores extremos pra vc passar horas ali no quarto.
    Ja comi muitas putas, sou novo apenas 20 anos, sempre com camisinha, apesar de q algumas fazem ofertas irresistiveis, do tipo ” chupo seu pau sem camisinha” e ate “quanto vc paga pelo prog.sem camisinha?” Para aqueles q sabem oque eh, fica quase irresistivel. Felizmente nunca cai nessa conversa, tenho medo da aids, e sei que ela ronda por ali .

  6. vanusa disse:

    olá, repórteres intrépidos,
    Bacanérrima a reportagem de vocês. Fui “garota” ali mesmo por um tempo e descobri o mesmo que vocês; que nos
    fizeram um favor à sociedade: desmistificou a “vida sexual boa”. Realmente esquecíamos o ser humano e
    víamos o objeto de desejo; a mulher querendo somente o dinheiro e o homem querendo só o corpo feminino!
    Um ponto que posso esclarecer ( e que um comentario houve), é sobre as mentiras ditas por nós, principalmente
    quanto aos valores ganhos. Não querendo “dar o braço a torcer”, sempre puxávamos pra mais.
    Mais quem não faz isso?
    Sinceramente, entramos com ideal de pegar uma grana, realizar um projeto e “vazar”; porém nunca é assim. E, se tivesse 15 mil num mês teria “vazado” no mesmo mês, colega!

  7. clayton batista ribeiro disse:

    ja sai de moto andei mais de 100km para ir na rua guicurus comer umas putinhas e e muito irado mesmo!

  8. reginaldo disse:

    nossa nem sabia dessas coisas;
    mas tambem tenho uma participaçao nisso!!!!!!

  9. CLEBER disse:

    Nos homens não podemos desmerecer essas mulheres,cada uma tem um motivo que a levaram a essa vida.Todas dizem um valor que ganham por dia,mas isso é muito pouco pelo que elas deixam ali naqueles quartos.Muitas garotas para aguentar essa vida se drogam,muitas olha o valor que outra dizem que ganha mas não olham o valor que se perde . se perde o amor próprio,a auto estima ,a saúde e muitas se perde o próprio respeito de se mesma e da família e das pessoas.Muito vêem e descrimina as garotas no que elas fazem mas ninguém procura a ajudar.Visitei vários hotéis pagava em média 25$ e ficava ouvindo as história das garotas,muitas histórias tristes,garotas expulsas de casa pelos pais, estrupadas pelos tios,pelo pai,padastro,as vezes até pelos amigos de parentes que oferecia aos amigos em troca de bebidas alcoólicas.Elas são mulheres como qualquer outras,tem sonhos,são seres humanas que merecém nosso respeito,nosso ouvidos,nosso ombros .ali tem mulheres com experiência de vida com a qual devemos aprender muito com as história de vida dessas guerreiras,mulheres que nunca tiveram uma oportunidade na vida e a vida as jogou nesses buraco as vezes sem saída mas acredito na força dessas garotas e sei com certeza de que vocês mulheres da vida terão uma vida de mulher.Vai chegar o momento de que poderão viver em paz com seus filhos,mães e pais amigos e serão repeitadas como merecem.Não se envergonha do que fazem porque vocês são a unica esperança de muito homens que também não tem ninguém na vida e procuram em vocês um pouco de carinho e afeto,algo que foi tirado deles quando ainda eram apenas uma inocente criança,e,são cabeça dura demais para admitir isso,ou talvez por vergonha de se abrir com vocês,vergonha até de se lembrar da vida que tiveram. desejos a todas vocês mulheres guerreiras toda sorte do mundo à todas vocês e aqui vai meus respeito e admiração a todas e que DEUS as ajude a realizar seus sonhos e que sejam muito felizes.Um enorme beijos a cada uma e um grande abraço carinhoso e estou torcendo por cada uma de vocês.DEUS ABENÇOE VOCÊS.

  10. Andrade disse:

    Em 2006 estive num puteiro ali perto da rodoviaria e paguei 10,00 reais para uma coroa . meti a vara antes de viajar, foi bom ela foi legal comigo e ainda me pediu mais 4 reais para fazer anal.

  11. Ceyla disse:

    Fui garota de programa por três anos na Rua Guaicurus e outros lugares, e posso confirmar, que é bem impossível comer 50 clientes por dia. Só é possível se morar lá e estar a disposição 20 horas. Isso daria em 24 minutos por homen atendido, mas isso na prática não funciona muito fácil. Uma puta boa é capaz de fazer o homem gozar em 10 minutos, mas nem sempre, porque o homem pode ser exausto ou frio ou já teve sexo recentemente ou não gosta tanto do tipo da menina e alugou-a só, porque ela é barata (como era no meu tipo, que sou negra e tenho que cobrar barato.) Assim se perde muito tempo. Tem mais o tempo de esperar no corredor ou no quarto, porque nem as raparigas mais bonitas tem sempre fila na sua porta, muito pelo contrário. Também é assim que a maioria dos homens gosta de prolongar o tempo, e depois do sexo demora para sair. Outros pagam mais e pedem mais tempo. Muitos conversam com detalhes, querem saber o tamanho do grelinho, se o cuzinho aguenta 20 cm, se aceita beijos, tapas e muito mais e depois somem sem contratar a menina. Eles entram na Guaicurus só pra ver menina nua de graça e fazer conversa suja de graça como eles gostam de fazer no msn, cam etc.
    Tb precisa de tempo para comer, beber, higiene pessoal, chuveiro, fazer xixi (a não ser que o cliente paga para a puta fazer xixi na frente dele ou na boca dele etc.) e mais.
    Quanto aos preços: Tem meninas que sugam o cliente. Falam que fazem por R$ 20, mas quando elas chupam a ele, já começam a prometer chupar tudo, tb cuzinho por R$ 50. Quem sabe duas horas R$ 100, com direito a anal. Quem sabe com direito de fazer tudo que quiser, 300, e por aí. Na excitação alguns homens perdem a cabeça e topam tudo. Meu cafetão nunca exigiu isso de mim, graças a Deus, porque eu detesto mentir e enganar os clientes. Muita meninas prometem e depois não mostram desempenho.
    Foto de mim na Guaicurus: http://4.bp.blogspot.com/-bcLYsqZ5AKM/T8FUQYSKszI/AAAAAAAAAfY/2k5moCwEXuw/s1600/w-14.jpg

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s